Objetivos: Proporcionar ao participante os conceitos básicos de instrumentação industrial e de projetos da disciplina de instrumentação.
Também tem a finalidade de estabelecer um diferencial competitivo na empregabilidade.
Propor um desafio aos participantes: A Inovação – unindo o tradicional às novas tecnologias nesta área.

Público-Alvo: O curso destina-se aos projetistas, técnicos e engenheiros do setor de instrumentação e automação industrial que necessitem de conhecimento nesta área. Também para aqueles que queiram ser capazes de evoluir com as constantes mudanças tecnológicas e de mercado.

O mercado: As principais indústrias alimentícias, siderúrgicas, bebidas, químicas, petroquímicas, farmacêuticas, cosméticos, bem como operadoras de petróleo e gás natural tem instalações na cidade do Rio de Janeiro, onde também se encontram muitos prestadores de serviço nas áreas de projeto e manutenção. Todo ano novos profissionais se incorporam à área de instrumentação para atender à demanda crescente dessa atividade, cuja expertise ainda carece de cursos de especialização.

Áreas de  interesse/afinidade: Operadoras de petróleo e gás natural (Shell, Statoil, Chevron, BP, PetroRio, Repsol, Galp, BG, SBM, Modec), prestadores de serviço (Schlumberger, Halliburton, Expro, Metroval, Conaut, Automind, Hirsa,) além das instituições oficiais (ANP, INMETRO). Empresas de engenharia e de consultoria (Radix, Chemtech, Intertechne, Doris e mais)

Local: Rio de Janeiro
Estrutura do curso: 
40 horas

Programa Técnico:
Mercado de trabalho

Conhecimento X Software

Fases de um empreendimento

  • Projeto conceitual
  • Projeto básico
  • Projeto executivo
  • Montagem
  • Comissionamento
  • Partida e operação assistida

Desenvolvimento do projeto de instrumentação

  • Definição de escopo
  • Cronograma
  • Lista de documentos
  • Definição de interfaces
  • Verificação
  • Comentários
  • Parecer técnico
  • Aprovação de documentos
  • Diligenciamento
  • Inspeção

Documentos de apoio ao Projeto

  • Cronograma
  • Lista de documentos
  • Lista de pendências

Formas de apresentação do projeto

  • Normas
  • O meio físico
  • Software
  • Controle da documentação

Normas – Simbologia

  • Norma ANSI/ISA 5.1
  • Identificação de instrumentos
  • Simbologia em fluxogramas de Engenharia (P&Id)

Documentos de referência

  • Critérios de Projeto ( instrumentação, automação e outros)
  • Especificação de materiais de tubulação
  • Memorial descritivo de processo
  • Relatório de Hazop
  • Dados de processo para instrumentação
  • Índice de linhas de tubulação
  • Planta de classificação de áreas

Documentação de engenharia

  • Lista de instrumentos
  • Folha de dados de instrumentos
  • Parecer técnico
  • Lista de pontos de ajuste
  • Lista de cargas elétricas
  • Especificação técnica
  • Memórias de cálculo
  • Diagrama de Causa e efeito
  • Diagrama lógico
  • Lista de entradas e saídas
  • Arquitetura de automação

Documentação de detalhamento

  • Diagrama de malha
  • Diagrama de interligação
  • Plantas de instrumentação ( locação de instrumentos e encaminhamento)
  • Detalhes típicos de instalação ( pneumático, processo, elétrico e sujporte)
  • Lista de cabos ( inclusive de corte)
  • Lista de materiais
  • Requisição de materiais

Demais atividades

  • Verificação de documentos de projeto e de pacotes
  • Modelagem 3D
  • Interface com outras disciplinas

Metodologia do curso

  • Primeira parte: expositiva com troca de experiências, dinâmicas e apresentação de filmes
  • Segunda parte: prática com execução de pequeno projeto

Professor: Marco Luiz dos Santos

Qualificação dos Instrutores:
Marco Luiz dos Santos – Engenheiro Mecânico pela Universidade Gama Filho, MBA em Gerenciamento de Projetos em Empreendimentos de Engenharia pela FGV RJ, MBA em Gestão de Negócios e Tecnologia da Informação pela FGV RJ e Pós Graduação em Docência Superior pela FABES, atuou como instrutor em vários cursos em Instrumentação. Atualmente atua em empresa própria,  MLS Engenharia, prestando consultoria em projetos e treinamentos em instrumentação e automação.  Atuou como Professor na UNIESP – RJ. Trabalha há mais de 30 atuando em projetos de instrumentação e automação de processos industriais nas empresas: TUPI BV, TBG, IESA, Jaako Pöyry, FCC, Nitriflex e Petrobras. Na ISA (International Society of Automation)Seção RJ atua como voluntário na  atividade de Secretario . Atuou também na coordenação de Treinamento na Seção RJ.